sábado, 26 de fevereiro de 2011

Alex Cuba


O nome do cara é Alex... Alex Cuba. O país de onde vem? Bom, o sobrenome dá a dica infalível. Sim, o rapaz vem da “ilha de Fidel” nos bombardear com um som irresistível, e parece ter saído do elenco de Hair, por causa do visual Black Power, com direito à costeletas praticamente entrando pelos cantos da boca. Conheci essa figura em Las Vegas, na cerimônia do Grammy Latino 2010, ao qual ele foi indicado em uma ou mais categorias com seu terceiro disco simplesmente intitulado “Alex Cuba”, lançado naquele ano.

Cantor e compositor, nasceu Alex Puentes, em Artemisa, Cuba, em 1974 e desde criança começou a se envolver com música. Chegou a estudar guitarra, percussão e contrabaixo oito horas por dia, na adolescência. Casou-se em 1999 com uma canadense e foi-se embora para Canadá. Apesar de carregar Cuba no sobrenome, o músico não é preso à tradições da música de seu país. É um vanguardista. Sua música é marcada pelos ritmos latinos misturados à guitarras roqueiras, pop, Black music norte americana e melodias doces, o que subverte o conceito de música cubana pura.

Em 2006 gravou seu primeiro disco solo “Humo de Tabaco”, ainda com um som bem acústico e mais latino, marcado pelos violões, piano, percussões e arranjos de orquestra. Este disco ainda traz a participação vocal de Jason Mraz na canção Dramatica.

O segundo disco “Agua Del Pozo” veio em 2008. Em meio às percussões latinas já começa a brotar um som mais Black norte americano na bateria e nos arranjos de metais. A guitarra elétrica também começa a dar o ar de sua graça. Tudo acontecendo com extremo bom gosto.

Em 2010 ele lança cd homônimo, com os ritmos latinos, o pop e o soul muito bem dosados. Faixas irresistíveis com forte apelo pop como If You Give me Love e Ella, Um baião “disfarçado” em Caballo, a ótima balada romântica Solo Tu já garantem a qualidade deste disco, que rendeu ao artista o Grammy Latino de melhor artista revelação.


É fato que a fórmula de Alex Cuba deu muito certo. Longe de ser um “latino-pop” descartável, sua música traz referências de vários lugares do mundo. Uns dizem que é “latin soul”; outros, que é “pop fusion”, ou até mesmo “world music”. Enfim, ficar tentando rotular o som desse cara é bobagem. Chame como quiser, a música de Alex Cuba é boa demais. Seus discos, bem produzidos e arranjados com muita sensibilidade, mostram que estamos diante de um excelente músico que trilha sua carreira com muita personalidade, sem se importar com modas ou tendências ao seu redor.

3 comentários:

  1. Já tô com o cd em mãos. Muito legal! O que Fabeca recomenda pode ter certeza que vale a pena, né, Fabeca? iiiiiiiiiiiiiiiiiiii....
    Gostei do "brógui"
    Bj

    ResponderExcluir
  2. Fábio Gomes???? N conheço esse não!

    ResponderExcluir